terça-feira, 30 de junho de 2015

Google Earth 3 anos atrás vs. Mesmo local hoje

Nem sempre eu releio meus posts antigos aqui do blog.

Mas quando releio, acontecem algumas surpresas, tipo a desta semana:

Era 30 de junho de 2012 quando eu resolvi pesquisar sobre locais onde há reuniões do Vigilantes do Peso (Weight Watchers) aqui em Regina. Encontrei alguns locais e olhei um deles através do Google Earth, assim, aleatoriamente.

Hoje, 30 de junho de 2015, eu participei em uma das reuniões do Weight Watchers (WW) EXATAMENTE no local que vi pelo computador há 3 anos atrás.

E, não, nada disso foi planejado.

Logo que chegamos aqui, eu comecei a frequentar o WW numa igreja no centro da cidade.  Pelo que lembro, o dia e o horário fechavam com meu cronograma de aulas da época.

Este ano, em março, resolvi voltar ao WW e escolhi uma das reuniões na igreja mais próxima de onde moramos atualmente. Eu não lembrava que era a igreja que tinha visto pelo Google Earth, antes de virmos para Regina, até o dia em que escrevi este post e aproveitei para dar uma olhadela em alguns outros posts daquela época.

Assim é a vida. Cuide com o que desejas, pois há grandes chances de acontecer. =D

E, para celebrar, fotos do local feitas hoje de manhã para você comparar com as imagens do Google Earth de 2009 - que eu copiei em 2012.

Igreja onde ocorrem algumas das reuniões do WW:



Do outro lado da rua:





Dá para notar que o local não mudou. Certamente o Google fez as fotografias na primavera, pois o verde das árvores está bem claro. E eu fotografei hoje, segundo dia em que toda a província de SK ficou coberta pela fumaça das queimadas que estão acontecendo nas florestas do norte.

Aqui, outra imagem da cidade que ficou cinza por causa da fumaça:


Como chuviscou várias vezes durante o dia de hoje, o cheiro forte de fumaça diminuiu comparado a ontem.

Estamos todos bem, apenas evitando fazer atividades físicas ao ar livre porque o ar está no grau máximo de risco para a saúde.





...
A maioria das reuniões do Vigilantes do Peso acontecem em igrejas aqui porque as igrejas tem o salão de eventos no mesmo prédio, ou seja, nos fundos de onde ocorrem as cerimônias há várias salas que servem para diversas atividades, tipo ensaio de coral, cursos e as reuniões do WW.

Cenas daqui | nº 34


Assim que a neve derrete e é absorvida pelo solo, a prefeitura varre as ruas, começando pelas principais e em frente às escolas, para, depois, repintar as linhas de trânsito no asfalto.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Há 3 anos, escolhemos Regina para morar

Pelo que leio nos blogs, a maioria das pessoas que vem morar no Canadá (por razões diversas) começa a ideia com uma cidade em mente.

Não foi assim com a gente.

Assim que decidimos que eu faria o Mestrado em Educação no Canadá, surgiu a dúvida: onde, no Canadá? 

Eu nasci em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, uma cidade com 465 mil habitantes. Morei meus primeiros 28 anos no bairro Forqueta, um dos bairros mais afastados do centro da cidade com estilo de colônia e com muitas colônias nas suas bordas.

Imagem do arquivo da Universidade de Caxias do Sul e
imagem comum no bairro onde nasci e morei
meus primeiros 28 anos de vida.
Em Forqueta, todo mundo se conhecia. Tomávamos chimarrão na casa dos vizinhos, pedíamos ovos emprestados na porta mais perto. Os rostos, dentro do ônibus, se repetiam. Quando eu me atrasava para ir à escola, de manhã, o motorista parava na esquina da minha casa ao me ver correndo. Meu pai ganhava caixas de uva dos colonos, no verão. Íamos na colônia de amigos comprar vinho e vinagre caseiro. Almoços de colônia com sopa de agnolini e risoto eram meus favoritos para o domingo. Eu ajudava meus vizinhos com o dever de casa e dava aulas particulares para vários deles.

Adoro cidade grande para passear. Mas prefiro cidade pequena e pacata para viver.
Não foi fácil escolher apenas uma cidade num país onde eu só conhecia Hamilton e Toronto, em Ontário; num país que nunca foi o foco de minhas leituras e pesquisas.
A única coisa que eu sabia era que o Canadá está entre os melhores países do mundo em Educação e isso me bastava. Afinal, o meu foco era aprender sobre o currículo Canadense e identificar o que poderia ser aplicado no ensino Brasileiro.

Com o mapa e o guia do Canadá em mãos, eliminei as grandes cidades.
Peguei referências em listas de cidades melhores para morar e li sobre elas, pesquisei por fotos no Google. Procurei informações de temperatura, vizinhança, custo de vida.
Depois de muitas anotações e muitos dias de pesquisa, Saskatoon pareceu um bom lugar, mas o forte da universidade de lá não é Educação. Pesquisei por outras universidades e achei a Universidade de Regina - que parecia encaixar nas minhas expectativas. Deste momento em diante, tudo que eu encontrava sobre Regina me agradava. 
Eu poderia passar a vida inteira mergulhada nesta pesquisa e certamente continuaria encontrando informações que me fariam mudar de opinião sobre a melhor cidade para fazer meu Mestrado.

Chegou uma hora em que tínhamos que bater o martelo. Mostrei pro Marido tudo o que tinha encontrado e em 25 de junho de 2012 escolhemos Regina como a cidade que nos acolheria nesta aventura.

Os pontinhos brancos na imagem são sementes de uma árvore que fazem parecer
que está nevando em plena primavera, pois a cidade inteira fica com estas
partículas no ar por uns 2 ou 3 dias!
Imagem feita no Wascana Park.


Como eu estava vindo para estudar, sabíamos que se não gostássemos da cidade nada nos impediria de mudarmos para outro lugar, outra universidade, outra província.

Quem me conhece sabe que sou uma pessoa incomum, que não gosta de fazer o que todo mundo faz, que prefere desafios e caminhos ainda não explorados. Saskatchewan? Gente, nunca tinha ouvido falar que este lugar existia! Mas que nome interessante... vou ter que ensinar meus familiares a pronunciar, eu pensei. Regina... gosto deste nome e morar numa cidade chamada Regina me interessa!
Além disso, li que Regina era totalmente plana, que o ar era seco, que mais de 350 mil mudas de árvores tinham sido plantadas manualmente na cidade e que a vizinhança era amigável.
Sim, tudo isso pareceu interessante, principalmente por ser diferente do que eu já tinha vivido no sul do Brasil.

Tenho certeza que o Canadá tem lugares muito mais lindos que Regina e que assim que tivermos oportunidade iremos conhecer estes lugares, de leste a oeste (de ponta a ponta do Canadá).

Mas também tenho certeza que estamos no lugar certo, no lugar que merecemos e no lugar que amamos. Sinceramente, não trocaríamos Regina por outra cidade.

Meus olhos marejam de gratidão a cada vez que me dou por conta de quanto nossa vida mudou desde que viemos pra cá e silenciosamente eu peço a Deus "Deixa a gente viver aqui pra sempre?".  ❤

terça-feira, 23 de junho de 2015

Planejamento para ver, curtir e celebrar a Aurora Boreal

Quando algo muito bom acontece comigo, eu gostaria que as pessoas especiais da minha vida pudessem vivenciar experiência semelhante um dia.

Por isso, vou compartilhar com vocês como eu e Marido fizemos para ver a Aurora Boreal pela terceira vez na madrugada passada.










Vale lembrar que devem existir outros recursos, mas os abaixo funcionaram para nós pela terceira vez consecutiva.

1. Certifique-se de que a Aurora Boreal vai estar visível onde você mora.

Decida que vai ver a Aurora Boreal e planeje. Sair sem noção alguma de lugar e horário é furada (fizemos isso em 2014 e não vimos nada).

Em 15 de abril deste ano, eu DECIDI que veríamos a Aurora Boreal e nós vimos a Aurora Boreal naquela noite e na madrugada seguinte. Depois de algum tempo de pesquisa, estes sites tem guiado nossas aventuras e foram certeiros ontem também:

Soft Serve News | Foi estudando este site que entendi o que é Kp number e como configurar alertas que me avisem quando possivelmente a Aurora Boreal vai estar visível onde moro. Ainda tenho muito a aprender, mas tem sido meu guia mestre.

Ovation Map | Para mim, esta imagem é como um mapa para achar o baú no final do arco-íris. Eu vou acompanhando a mudança de posição da Aurora até que ela cubra a região onde moro. Não saio de casa se isso não acontecer e só saio quando isso acontecer!

Também confimo os alertas no Aurora Watch, visto que é da província vizinha e me dá um bom parâmetro, e gosto de ver o vídeo do NOAA com previsão de 3 dias de Aurora (o vídeo dá uma ideia se vale a pena ficar acordado acompanhando os sites citados acima).

É importante ver a previsão do tempo, pois se tiver nublado ou com muitas nuvens, não vai dar para ver a Aurora Boreal!


2. Saia de casa com a câmera configurada e vá para um local longe das luzes da cidade.

Ainda tenho muito a aprender sobre fotografia e confesso que o que mais quero é um registro do momento vivido para recordação pessoal mesmo. Adoraria fazer fotos lindas como alguns fotógrafos da região, mas para isso preciso estudar mais.

Li alguns blogs com dicas de configuração e tenho seguido o que segue, no modo manual de uma máquina point&shoot bem simples:
menor f-stop possível
ISO 800-1600
10-25 segundos (speed)
>> Segundo um site, menos segundos é igual a mais detalhes - tem que experimentar!

Como dá para ver nas fotos deste post, não ficam as melhores fotos que você já viu, mas servem ao seu propósito!

De posse de sua câmera, vá para um local escuro, que não tenha interferência das luzes da cidade. Nós dirigimos uns 15 minutos no sentido norte da cidade - talvez mais ao norte ainda teria sido melhor.


3. Curta cada segundo da dança.

Segundo este site somente as câmeras fotográficas conseguem captar toda a beleza das Northern Lights. Na verdade, quanto mais ao norte, mais forte estará a aurora e mais intensas serão as cores.

Depois que você descobre isso, você consegue curtir a dança das luzes no céu, com ou sem muita cor.

Ontem eu estava mais preocupada em curtir o momento do que registrá-lo, então deixei a câmera configurada no tripé e fui mudando de posição e clicando, sem saber se aproveitaria alguma foto. De umas 100+ fotos, umas 4 ou 5 ficaram legais. Mas a dança... ah, a dança está registrada na minha memória e desta eu não abro mão! ❤


4. Celebre e compartilhe sua experiência.

Assim como eu tenho muito a aprender sobre fotografar, imagino que seja importante saber editar as imagens da Aurora Boreal para que elas revelem a beleza que você só vai ver depois do show. É tipo um pós-show, sabe?

Nas fotos abaixo você consegue ver a mesma imagem com e sem edição:



Ficou muito melhor, mas não é uma edição digna do show apresentado. E por que digo isso? Porque talvez tenham tons de vermelho, rosa ou azul naquela imagem. Vou continuar lendo sobre o assunto e fazendo minhas experiências, pois, como tudo na vida, é a prática que leva à perfeição.



Espero que este post tenha ajudado e te inspirado um pouco, afinal, não adianta reclamar que você nunca viu a Aurora se você nunca fez o dever de casa, literalmente.
Dá um pouco de trabalho, mas eu garanto que vale a pena!


E quem tiver sugestões sobre fotografar e editar imagens, por favor, compartilhe no meu email ou na página do blog no facebook. Vamos aprender juntos, pois para ver este show Deus não distribui ingressos nem escolhe os convidados!



...
Post editado em Junho 26, 2015: estou aprendendo a mexer nas fotos para extrair as cores da aurora e AMANDO o resultado:



Translate